estórias com sexo

para masturbar insónias

Incesto: minha experiência de vida com meu filho

Uma mãe descreve o inicio de uma atracção imparável.

É estranho como um relacionamento incestuoso, entre uma mãe e seu filho pode começar. O meu ocorreu não porque eu pulei na cama com meu filho, mas progrediu a partir de um pensamento completamente inocente até a sua realização total.
Tudo teve início quando meu filho, Rogério, decidiu que precisava de um passatempo. Rogério sempre se interessou por todo os tipo de coisas artísticas. Um dia, iria aprender a desenhar e a pintar, e comprou todos os tipos das coisas para isso, como lápis, pincéis, tintas, papéis de pintura e até mesmo um cavalete.
Passou um ano, e ele, estudando desenho artístico na faculdade de propaganda de marketing, já conseguia esboçar paisagens imaginativas, dinâmicas e empolgantes. Algo que me deixa empolgada era a sua tendência para tomar-me como sua modelo. Sempre que podia, desenhava-me cumprindo tarefas domésticas ordinárias, como lavando pratos, arrumando a sala, tirando o pó daqui e dali, e em outras situações casuais.
Um dia, durante a tarde, tomei um chuveirada refrescante. Quando saí do box, enrolarei-me numa toalha felpuda e macia e desci para a cozinha. Notei que peguei Rogério surpreendido, desenhando algo que ele imediatamente cobriu com as mãos.
Peguei a cafeteira e enchi uma xícara. “O que você está aprontando?”, perguntei-lhe marotamente. Pela minha mente passou a ideia de que ele se dedicava a retratar mulheres em poses eróticas. Isso imediatamente aguçou minha curiosidade. Qual seria o modelo de beleza para o meu filho? “Você se importaria em me mostrar o desenho?”, perguntei-lhe docemente. Ele meneou o rosto negativamente, enrubescendo. “Por que não, Rogério? Fiquei muito curiosa“, insisti sorrindo. “Isso não é para você ver”, ele disse num fio de voz.
Deixei a xícara de café a um canto e sentei-me à mesa ao seu lado. Afastei sua mão do desenho e quando vi o que ele estava a fazer, fiquei sem fôlego. Eu era a modelo que ele retratava. Mas eu estava nua nesse desenho.
A pose era até mesmo inocente. Eu andava pela cozinha, carregando uma xícara na mão. Sinceramente, eu achei particularmente bonito seu esforço. Possuía um traço ingénuo, mas seguro e doce. Porém, percebi que ele estava muito encabulado. Resolvi aliviar o clima de tensão no ar.
Maravilhoso. Você é um artista mesmo, querido. Só que eu avalio que meus seios sejam um pouco maiores”. Ele estremeceu perceptivelmente. Olhou-me na região do busto e disse. “Eu não acho isso. Você é um artista. Pode contrastar o que desenho com a realidade e tirar suas conclusões”, contestei delicadamente, suavizando minha voz.
Sinceramente, não descobri, naquele momento, mal algum em rumar minhas mãos pela borda do robe e abri-lo, expondo meus seios a ele. Sempre tivemos um clima de naturalidade e descontração em casa. As pessoas atualmente tem a mente muita aberta. Acreditei que agia de forma consistente e nada provocante. No entanto, notei um brilho incandescente no olhar do meu filho. “Mais, por favor”, ele pediu. Fiquei incerta. Mas ele era um artista. E eu estava, no fundo, apreciando o fato dele me usar como sua modelo para posses mais íntimas e pessoais.
Abri o nó do cordão do robe e livrei-me dele, expondo todo meu corpo. Ele respirou profundamente, ruidosamente. Mordeu o lábio inferior e abriu a mão deixando cair o lápis. “O que aconteceu?”, perguntei-lhe incerta. “Não quer continuar o desenho?” Ele nada disse. Aproximou o rosto do meus seios e a sensação da sua respiração quente sobre minha pele provocou uma onda de calor que correu todo meu corpo. Contra minha vontade, senti os mamilos enrijecendo, denunciando minha excitação repentinamente intensa e proibida.
Ele recuou. Tomou o lápis, olhando alternadamente meus seios e minha boceta intumescida e húmida. Por minha parte, notei a protuberância do seu pénis sob o tecido de jeans da sua calça. No entanto, ele tentou concentrar-se no desenho. Apagou a linha dos seios no papel e tentou traçá-la a observar-me. Suas mãos tremeram, seu traço era errante.
Ele tentou agir profissionalmente enquanto eu permanecia na mesma pose ao seu lado. No entanto, inclinou o rosto na direção dos meus seios. Seus lábios roçaram no mamilo suavemente. Sua língua quente traçou-lhe o contorno. E eu tive que lutar para não gemer de prazer e tesão. Meu filho afastou a boca do mamilo, e lambeu e mordiscou a base do meu seio.
A língua tórrida e erótica subiu-me todo o seio, e sua boca sugou-me o mamilo inicialmente com ternura, depois com volúpia, querendo incendiar-me, querendo fazer-me entregar por inteira. Depois, ele devorou, lambeu e sugou o outro seio, massajando os dois com as mãos. Deixando-os pesados e latejantes, os tão mamilos rijos que doíam. Fechei meus olhos, e sua mão desceu, explorando meu corpo, meu abdómen liso, o vale entre minha coxas. “Você gosta disso, mamãe?”, sussurrou no meu ouvido.
Assenti um movimento de rosto em resposta. No limite da minha resistência, levantei-me num pulo. “Fiz uma coisa errada?”, ele perguntou. Estendi-lhe a mão. “Venha comigo”, disse rapidamente, guiando-o até meu quarto. Lá ajudei-o a despir-se. Quando ele se libertou da última peça, seu pénis, que era delineados pelas formas atraentes da juventude, mostrou-se rígido e tremulante para mim. “Você é lindo”, ronronei, segurando-lhe o pénis com uma mão e percorrendo seu tórax maravilhosamente musculoso com a outra. “Beije-me”, pedi, e quando senti sua língua explorando o interior da minha boca iniciei uma massagem sensual com a mão no seu pénis aveludado e maciço. Eu rompi o beijo e percorri-lhe o tórax, depois o abdómen com a língua. Fiquei de joelhos na frente dele e encarei-o.
Ansiava provar seu pau, sentir seu caralho quente e duro dentro da minha boca por alguns minutos. Sempre recusei ou protestei em fazer isso com qualquer outro homem, mas frente ao meu filho era impossível resistir ao impulso de servi-lo como seu eu fosse uma escrava sensual e ele meu senhor. Com receio de assustá-lo, e deliciando-me em servi-lo, perguntei-lhe. “Posso sentir você na minha boca?” Ele fez que sim. “Me chupa com força, mamãe”.
Ao registar seu consentimento, beijei todo o corpo do seu pénis até a extremidade. Lá esperava-me uma gota do seu líquido, como a me convidar e apontar o que devia fazer. Ofereci-lhe meus lábios entreabertos e os quadris do meu filhos arquearam-se para frente, deslizando o pénis pelo interior da minha boca. O calor do seu pénis transmitia-se a mim. Sentia-me unida e dirigida por ele a cada movimento. A sensação de volume, ardor, o gosto picante da sua masculinidade devassando-me o interior da boca era arrebatador. A região entre as minhas coxas humedecia-se cada vez mais em resposta. Meus seios doíam. Eu não podia resistir mais.
Levantei-me, atirei na cama e implorei.
“Me fode, me come”.
Ele apanhou minhas pernas entre suas mãos possantes e decididas e separou-as ainda mais. Cobriu meu corpo com o seu e beijou-me enquanto seu pau invadia meu sexo e ele, finalmente, me possuía toda para si. Eu gemei de prazer e ondulei meu corpo sob o dele, orientei o rosto do meu filho na direção do meu seio. Ele entendeu rapidamente o que eu queria, e ao mesmo tempo que me sugava e beijava o mamilo rijo, me fodia com arremetidas poderosas e velozes. “Vou gozar, mamãe”, ele arfou. Abracei-o-o com força entre os meus braços e enlacei seu quadril com as minhas pernas. Beijámo-nos e quando notei que ele olho para cima, com os olhos vidrados, descobri que ele gozava. Essa descoberta bastou para acender em mim a chama voluptuosa do orgasmo e meu corpo tremeu inteiro, liberando todo o prazer que existia em meu ser.
Separamo-nos em exaustão e felicidade. Contemplei absorvida sua nudez e as proporções magníficas daquele pénis viril e enorme. Ele sorriu para mim. Levantei os olhos até lhe capturar o olhar e indaguei.
“Nunca pensei que fosse tão bom repartir a cama com você”.
Demonstrando sabedoria, meu filho insinuou. “Quando se ama, tudo é bom, não?”. Concordei rindo-me baixinho. “Você me ama? Me ama como mulher?” Ele beijou-me apaixonadamente. “Sim, eu a amo, mãe, como a mulher maravilhosamente deslumbrante que você é”.
Essa foi a primeira noite do nosso amor proibido. Pedi o divórcio e mudei-me de São Paulo para Florianopolis com meu filho. Lá todos nos julgam um casal normal e adequado à sociedade. Ele trabalha numa agência de publicidade e eu cuido da casa, e, claro, sempre lhe sirvo de modelo para excitar sua imaginação erótica. Queria finalizar dizendo um só coisa: se você sente-se atraída pelo seu filho, como eu, não tente dissimular suas fantasias. Se não puder realizá-las, masturbe-se secretamente imaginando-o entre seus braços. Afinal, qual mãe não tem secretamente um tesão carnal enorme pela sua prole?

Beijos, Rosana.

13 comentários em “Incesto: minha experiência de vida com meu filho

  1. Hugo
    18/05/2009

    Otimo conto

  2. Ricardo Holanda
    05/04/2011

    me add rosana!

  3. Anônimo
    06/05/2011

    bom conto , se for vdd é muito bom eu sou filho e me sinto atraido por minha mae tambem.

  4. ruben
    06/05/2011

    tambem me sinto atraido sexualmente pela minha mae

  5. RODRIGO
    08/11/2011

    bom conto

  6. Alegria
    13/11/2011

    Porco. Irracional.

  7. Mae Pecadora
    16/03/2012

    Ola, desde o carnaval de 2010 que alugamos uma casa na praia,(marido.filhos,e mais alguns familiares. na segunda feiras fiquei na sala vendo as escolas de samba com outros parentes e determinada hora todos foram p/os quartos dormir, eu fiquei sozinha na sala no andar de baixo da casa.estava de pilequinho, tinha bebido varias cervejas, e vendo tanta gente bonita fiquei c/tesão.Foi quando passava das 4 da manha meu filho 16anos, milnha filha19, e mais 2 sobrinhas chegaram do baile no clube, todos foram dormir, menos meu filho, ficou vendo tv comigo, depois de um tempo dormi deitada no chao, foi quando senti algo estranho acontecendo, era meu menino puxando meu short p/ladinho p/ ver minha xota e c/ a outra mao se masturbava,fiquei paralisada sem saber o que fazer, mais vendo aquela bela pica que era muito grossa + ou – uns 18cm e uma cabeçona igual a um tomate, nao me controlei e facilite as coisas e ai fingi que continuava a dormir e fui fudida deliciosamente pelo meu menino que agora se tornara um macho gostoso; acordei ja era mais 8.30 meia confusa achando que fora um sonho,
    mais quando passei a mao na xota esta ardida e cheia de baba, fiquei apavorada, como iria olhar meu filho depois do que houve. So que ele soube condizir os fatos como se nao
    tivesse acontecido nada,porem com mais carinho e chamego comigo, ate hoje quando
    surge oportunidade fingo dormir e ele aproveita.As vezes sinto muita culpa, mas estou viciada no picão dele. Nunca conversamos sobre o que vem acontecendo a 2 anos, estou sem saber como vai acabar esta nossa relação secreta e proibida.quero pessoas que ja viveram algo parecido p/ conversar. ()Mãe Pecadora.
    carol.18.r @b o l.com.b r

  8. zenido
    05/12/2012

    oi carol tudo bem

  9. zenido
    06/12/2012

    meu email e ramos.ZENILDO@gmail.com qua ndo quiser conversa

  10. mendes
    09/03/2013

    muito bom …. adorei …. voce nada mais ….. que deu a ele …o que ele queria .. e o que voce tinha quase esquecido ….. o amor carnal…. que foi e ‘e otimo para voces. bjs.

  11. ronaldo
    02/05/2013

    eu quero tbm mamãe

  12. Anônimo
    22/03/2014

    nossa tive qe batetr uma pra vc caraol

  13. André Silva
    08/06/2014

    Olá !! Senhorita Rosana , nossa que relato maravilhoso,delicioso,exitante que me fez sonhar e gozar imaginando eu no lugar do seu filho,,, Pois bem querida quero te parabenizar por você ter a coragem e atitude em compartilhar o seu momento com todos nos .. Espero que esse acontecimento não causou nem uma mudança na relação de vocês no dia a dia de sua vidas,, Eu aprecio o tema mãe e filho , mas o que busco e ajuda pois sofro a algum tempo o sonho que sem duvidas eu daria a minha vida em se tornar real e em sentir o cheiro, o calor , o sabor do beijo e do corpo da minha deliciosa Tia em meus braços.. Ela sabe e desconfia o que sinto por ela mas o medo me impede em por um fim nesse sofrimento, não sei como criar coragem em desabafar tudo para ela… Beijoss querida Aguardo Respostas…………..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 14/03/2009 por em estórias, narradora e marcado , , , , , .
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 40 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: